Notícias - Julgamente / Publicado em 12/01/2018 às 19:02

Estado prepara esquema de segurança para julgamento do ex-presidente Lula

Foto: Divulgação/ Internet
Foto: Divulgação/ Internet
Um esquema de cercamento ao Tribunal Federal de Porto Alegre, que vai sediar o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Soma-se a isso, a mobilização de grande efetivo de agentes de diversos órgãos de segurança, por toda a capital do Rio Grande do Sul. Um Gabinete de Gestão Integrada foi criado para a administração da situação. O mesmo é formado pelos governos Estadual e Federal, além da Prefeitura porto-alegrense. Dentro da estratégia de se aumentar o contingente, forças vão ser convocadas de outras partes do Estado, já a partir da próxima segunda-feira (15). Caso do Batalhão de Operações Especiais (BOE) de Santa Maria e de Passo Fundo./ Policiais que atualmente estão lotados no litoral, para a Operação Golfinho, voltam gradativamente para a capital, somente para reforço da ocasião. Apenas das corporações gaúchas, o número destacado para o apoio pode chegar até 3 mil.

Além destes, a estratégia ainda conta com a cooperação das polícias Federal e Rodoviária Federal (PRF), além da Força Nacional. Esta, deve ficar aplicada na fiscalização preventiva de prédios e casas públicas. A chegada de contingentes deve começar em 20 de janeiro. A intensificação vai ser acentuada no dia 22. O objetivo é que para o início do julgamento, no dia 24, tudo já esteja preparado.

O secretário Estadual de Segurança Pública, Cezar Schirmer, salienta que todo o esquema pensado é feito para garantir que o processo possa ocorrer tranquilamente, bem como manifestações favoráveis ou contrárias ao ex-presidente. Apela para que todos possam conviver com posições diferentes, sem qualquer ato de violência. Lembra que o policiamento vai estar espalhado por toda a Porto Alegre.

O julgamento de Lula vai ocorrer nos dias 24 e 25 de janeiro. A expectativa da Secretaria de Segurança do Estado é que a movimentação de manifestantes seja intensa na capital. Todas as medidas que devem ser aplicadas por parte do Governo gaúcho foram definidas após reunião do Estado com a Brigada Militar (BM), ocorrida nesta sexta-feira (12).